16 setembro 2018 8:38 am

Câmara realiza julgamento que pode levar à cassação de Rony Alves e Mário Takahashi

Redação Paiquerê

Mário Takahashi e Rony Alves. Foto: Devanir Parra/CML
Mário Takahashi e Rony Alves. Foto: Devanir Parra/CML

Cinco meses depois da Comissão Processante (CP) contra Rony Alves (PTB) e Mário Takahashi (PV) ser aberta, os vereadores afastados serão julgados neste domingo (16), a partir das 9h, na Câmara Municipal de Londrina. A comissão avaliou que os dois parlamentares afastados cometeram quebra de decoro parlamentar. Os dois são réus na operação ZR3, acusados de liderarem de um suposto esquema de cobrança de propina para aprovar mudanças de zoneamento para benefícios de particulares na cidade. A comissão é formada pelos vereadores José Roque Neto (PR), João Martins (PSL) e Vilson Bittencourt (PSB).

Takahashi e Alves estão afastados dos cargos desde janeiro, quando foi deflagrada a operação do Grupo de Atuação Especial de Combate ao Crime (Gaeco). Para perderam o mandato são necessários, no mínimo, 13 votos dos 19 vereadores da Casa. Caso não atinja este número de votos, a denúncia é arquivada. A comissão contra os dois parlamentares foi marcada por diversos mandados de segurança impetrados na Justiça, suspensões dos trabalhos e sessões de julgamentos canceladas.

O relatório final da comissão inicialmente seria votado em 20 de agosto. O parecer foi pela cassação dos mandatos dos dois parlamentares por quebra de decoro. Entretanto, a sessão foi suspensa após uma decisão liminar do Tribunal de Justiça de Justiça (TJ-PR), atendendo a um pedido da defesa de Takahashi, que alegou que ele não foi convocado oficialmente para depor na CP.

Depois desta decisão, a Câmara intimou Takahashi e ele foi interrogado em 21 de agosto, mas Rony Alves não compareceu. Em 23 de agosto estava previsto que os vereadores divulgariam a data da nova sessão de julgamento. Um dia antes, porém, em 22 de agosto, uma decisão liminar da Justiça determinou que Takahashi fosse ouvido novamente, com a devida notificação oficial de Rony Alves, desta vez não via e-mail, para que ele pudesse participar do ato.

Os trabalhos da comissão chegaram a ficar suspenso por mais de um mês. Durante os trabalhos, mais de 20 testemunhas foram ouvidas. Na sexta-feira (14), o desembargador Xisto Pereira, do TJ, negou outra liminar pedida pela defesa de Takahashi e manteve a data do julgamento. O juiz da 1ª Vara Vara de Fazenda Pública de Londrina, Márcio José Vieira, negou um mandado se segurança da defesa de Alves, que pedia o arquivamento da comissão. Caso a dupla afastada seja afastada, chegará a três o número de vereadores que perderam o mandato somente nesta legislatura.

Mário Takahashi está em sua segunda legislatura, assumindo pela primeira vez em 2013. Em 2017 foi eleito presidente da Câmara para o biênio 2017-2018. Já Rony Alves é vereador em Londrina desde 2009 e está em seu terceiro mandato. Foi presidente do legislativo entre 2013 e 2014.

Comentários Facebook

Comentários