11 julho 2018 3:21 pm

Cohab aguarda a Caixa sobre reintegração no Flores do Campo

Lino Ramos
Redação Paiquerê

A Companhia de Habitação (Cohab) de Londrina informou que a reintegração do residencial Flores do Campo, na região norte da cidade, deve ser resolvida pela Caixa Econômica Federal. O novo prazo dado pela Justiça Federal para que houvesse a desocupação do empreendimento venceu no dia dois de julho. Segundo o presidente da Cohab, Luiz Cândido de Oliveira, a comissão criada para estudar uma alternativa aos invasores não apontou uma solução para o problema.

Empreendimento do Minha Casa Minha Vida, o residencial Flores do Campo foi projetado para 1.218 unidades. Ocupado desde 2016, a reintegração de posse no local estava inicialmente agendada para o dia 23 de novembro do ano passado. Responsável pela operação, o delegado da Polícia Federal (PF), Nilson Antunes, mobilizou mais de 1,4 mil pessoas, entre 750 policiais militares, 50 policiais federais e 200 guardas municipais, além de assistentes sociais e servidores da Cohab de Londrina.

Mas o trabalho não pôde ser realizado, após uma liminar concedida pelo Tribunal Regional Federal da 4ª Região em Porto Alegre, que adiou a reintegração por 90 dias. O tribunal acatou recurso da Defensoria Pública Federal em Londrina. Na época, o defensor público federal, Sérgio Fumil Oura, disse que a reintegração deixaria as pessoas sem ter para onde ir.

Um levantamento feito pela prefeitura naquele período mostrava que no residencial havia 350 famílias, com 900 pessoas, sendo cerca de 600 adultos. O prazo inicial dado pelo TRF-4 venceria em 21 de fevereiro, mas após uma reunião na 2ª Vara Federal em Londrina, uma comissão formada por representantes de entidades pediu novo prazo para a desocupação. Em março de 2018, após uma reunião no gabinete do prefeito Marcelo Belinati (PP), as entidades decidiram esperar mais três meses para que o Flores do Campo fosse desocupado. De acordo com a Caixa, 48% das obras do empreendimento estariam concluídas e o término da projeto só poderá ocorrer após a reintegração de posse.

Comentários Facebook

Comentários