10 outubro 2018 2:16 pm

Próximo presidente terá dificuldades para aprovar projetos no Congresso

Redação Paiquerê

O próximo presidente, que será conhecido em 28 de outubro, terá dificuldades para aprovar projetos entre deputados e senadores. A avaliação é do cientista político Valdir Pucci. Para o especialista, tanto Jair Bolsonaro (PSL) quanto Fernando Haddad (PT) terão uma oposição ativa, já que PT (com 56 parlamentares) e PSL (com 52) agora têm as maiores bancadas da Câmara Federal.

Segundo Pucci, em entrevista à Agência do Rádio, a fragmentação entre direita e esquerda no Congresso deve permanecer a partir de 1° de janeiro de 2019.

A renovação política na Câmara e no Senado superou a média histórica das eleições nos últimos 20 anos. Para o cientista político da Fundação Getúlio Vargas (FGV), Eduardo Grin, a mudança poderia ser ainda maior caso não houvesse artifícios previstos na lei eleitoral, como o chamado voto de legenda.

O MDB, um dos principais partidos do País, perdeu 19 cadeiras na Câmara, enquanto o PSDB tornou-se apenas a oitava bancada entre os deputados. No Senado, a renovação em 2019 também será recorde. Apenas oito senadores se reelegeram. Nomes que já estavam há décadas na Casa, como Eunício Oliveira (MDB), Lindberg Farias (PT), Ricardo Ferraço (PSDB), Magno Malta (PR) e Romero Jucá (MDB), perdem o cargo e foro privilegiado a partir do ano que vem.

Comentários Facebook

Comentários